Das citações em latim – Os Irmãos Karamazov, de Dostoiévski

A postagem anterior tentou esclarecer uma citação em latim que fora inserida no corpo do romance ou por meio da tradução de seu significado literal, ou na tradução das notas da edição original. Em ambos os casos houve alteração do texto, apesar de Paulo Bezerra ter seguido à risca a significação latina utilizada por Dostoiévski, sendo melhor tradução que todas as demais consultadas.

Parece-me que citações em latim são recorrentes em Os Irmãos Karamazov, senão em tantas outras obras. Não prometo uma análise sobre cada situação, porém é evidente que as alterações do texto original foram tão comuns em outras traduções que incorreram em invencionices por meio da criação literária deveras irresponsável. Outros casos ainda em Os Irmãos Karamazov são indicados com notas de rodapé traduzidos no melhor estilo “assim disse o autor”, como se não fosse possível a utilização do latim na criação do enredo de maneira premeditada e com objetivo específico.

É evidente que o latim está presente nas situações mais caóticas da obra, indicando nos diálogos certa erudição premeditada de Fíodor Pávlovitch nas respostas mais dissimuladas, desastradas e grosseiras. O narrador explica claramente que Pávlovitch possui extensa biblioteca, apesar de nunca ter sido visto lendo livro algum. Assim, o personagem – pai dos três irmãos Karamazov – não raramente é descrito no decorrer do enredo em rompantes de lucidez e imbecilidade de grosserias pessoais; não me admiraria vê-lo em meio a citações latinas fruto de uma elevação cultural velada, escondida por seu caráter destrutivo e blasfemo.

A sugestão que fica é manter o termo latim tal qual o original, inserindo-se posteriormente uma nota sobre a tradução indireta da terminologia.