O Demonologista, de Andrew Pyper

1

Sempre desconfiei de opiniões que dizem que “a leitura te prende do começo ao fim”. De fato, é uma opinião honesta: uma historieta de dez laudas irá te prender, certamente, do começo ao fim, não tenha dúvidas. Após adquirir O Demonologista, de Andrew Pyper, pretendia eu fazer uma resenha detalhada sobre esse livro bastante comentado. Mas caí no erro da comparação e no equívoco de superestimar a biografia de um autor. Até mesmo H.P. Lovecraft teve seus maus momentos. Com isso, enquanto relia O Caso de Charles Dexter Ward, lia também O Demonologista. Enquanto me deparava com a ambientação detalhista de Lovecraft, Pyper me fornecia a descrição de cenários melhor vistos em gibis. Lovecraft, sem diálogo algum, fazia transparecer o caráter do personagem. Pyper, com diálogos que mais pareciam releituras de contos esotéricos da década de 1990, fez do personagem a caricatura da inteligência irônica artificializada e imatura, com traquejos chavonescos tal qual a décima piada já contada.

Aliás, já devia eu ter desconfiado da artimanha literária do professor universitário que se vê diante de uma encruzilhada intelectual e tomado de aventuras que fustigam suas aptidões de especialista. A minha paciência se esgotou com as estripulias intelectualoides de Robert Langdon. O fim do livro, odiado por muitos, foi para mim um alívio e de fato uma das poucas coisas bem planejadas pelo autor. Não fui ao encontro desse livro esperando o terror, o horror ou algo que o pareça, mas simplesmente boa literatura. E não encontrei, desculpem-me.

Não tenho ciência sobre isso, mas me parece que a história foi criada almejando o cinema, sob a pecha de publicações outras que seguiram o mesmo rumo. É a fórmula certeira sobre como destruir uma boa obra, reduzindo-a às percepções de leitura oriundas de uma transcrição de cenas de filme.

É tática de venda que não abomino, mas não espere Pyper uma comparação longínqua e realista com Stephen King, como andou aventando The New York Times.

Foto: Amantes por Livros e Filmes.