O casamento, essa instituição tão arcaica

Que se tenha por irônico que certas instituições estão sendo abraçadas por aqueles que sempre as negaram não é hoje um privilégio de poucos. Percebendo que o caminho natural das políticas de Estado é a inclusão irresponsável, intrusiva, não raro temos exemplos onde determinada instituição é sobrevalorizada em nome de uma política social que antecede essa “ansiedade igualitária”. Instituições caras ao cristianismo, leia-se. Afinal, quando falamos em igualdade, falamos de política. Mas não mais que de repente, como uma pedra jogada no meio do oceano das causas possíveis, na esteira sarcástica dos acontecimentos é que o casamento – essa instituição tão arcaica, segundo constava – foi sendo novamente colocado na pauta das grandes conquistas minoritárias. O mesmo casamento que nas décadas de 60 e 70 era desprezado e tido como um elemento a ser extirpado da vida social reacendeu o mote de conquistas daqueles que pleiteavam sua substituição pelos atos da vida, como bem se viu na jurisprudência consolidada sobre a união estável americana. Substituído o casamento, que interferência teria? Qual a relevância? Elemento sempre presente nos movimentos liberais das décadas de 60 e 70, a desconstituição institucional do casamento teve frentes dispostas perante o Estado e perante a religião, fundindo-se ambos como instituição que merecia a substituição devida. A união estável, declarada pelo Estado-juiz, foi considerada a grande conquista das décadas seguintes uma vez que simbolizava o início do fim da necessidade ritualística dos casamentos civil e religioso e o fim da autoridade religiosa enquanto entidade discriminadora sobre aquele que era e aquele que não era casado. Não obstante a proeminência do ritual religioso, o casamento civil foi reacendido em detrimento da conquista da união estável, a qual não mais satisfazia os anseios da minoria então beneficiada. Os homossexuais tinham a união estável reconhecida, mas não tinham o amparo jurídico e legal decorrente do casamento formalizado.

Naturalmente que do casamento civil foram questionados os fundamentos do casamento religioso. Poderia uma instituição religiosa se negar a casar homossexuais? Tomando como espelho a autorização civil do Estado ao casamento, da qual o casamento civil foi tido como irrevogável, não poderia a religião impedir aquilo que o Estado já autorizou. Não poderia a Igreja ou as denominações cristãs negarem o direito ao casamento homoafetivo uma vez que a guarida legal não assume distinção sob pena de “crime de preconceito”. Por isso, a declaração de legalidade do casamento homossexual americano deve ser vista como um traço do caminho percorrido à descaracterização do casamento enquanto instituição.

A contradição é apenas aparente.

O sentimento destrutivo do mote da união estável permanece. Para que se tenha a desfiguração do casamento civil, evidentemente que não restou a aniquilação rápida e amadora, mas sim a imputação de conceitos de casamentos anômalos ao espírito institucional. Em doses homeopáticas é que o casamento civil, outrora alvo de destruição, foi afirmado como “um direito a ser reconhecido”, uma etapa na trilha que converge a outros casamentos. Se o casamento civil foi transfigurado, imagina-se o contrário quanto ao casamento religioso? Acredita você, leitor, que a ritualística religiosa do casamento religioso não se debruçará diante das exigências já impostas ao casamento civil? Instituição permanente alguma pode ser removida por simples decreto. Disso é que sua manipulação e deturpação é a forma mais eficaz de manter a instituição, contudo pendendo sua finalidade naquilo que antes não importava. Casamento não é aquilo que se define, e aquilo que é. Chegará o momento em que o casamento terá seriamente abraçado a união entre homens e animais sem questionamento algum, no receio de que se faça um “julgamento discriminatório” daquele que pleiteia o absurdo.

Tal insaciedade do Estado Igualitário procede do assistencialismo, devendo por isso ser visto como um arcabouço indissociável cujas consequências vêm em conjunto.

_________________________________________

Escrito em março de 2013:

O mesmo Estado que retirou da religião a função de mantenedora do casamento institucional, mediante a codificação de um fenômeno familiar sob a alegação da segurança jurídica, hoje fomenta o divórcio – outra instituição também religiosa, mas deturpada pela perversidade iluminista que contaminou os governos. Este relato é a união inevitável entre ociosidade, assistencialismo e as deturpações; não se pode esperar outro desfecho senão a decadência contínua, apesar de lenta, de toda a estrutura social da religião. Dos relatos e das motivações é possível concluir que o futuro dessa gente descamba no caos e no animalismo existencial. Se a relação parasitária pode ser justificada pela ignorância e por uma lacuna moral que provavelmente nunca será suprida, da mesma maneira o assistencialismo suplanta o trabalho, sem o qual é impossível haver caridade. O assistencialismo de Estado sobrevive da decadência criada pelo próprio Estado e promove, em nome da caridade, a redução do homem a cativo de mixarias consideradas grandes fortunas. Opostamente à miséria real, que decorre da subsistência fisiológica mais básica e elementar, a miséria dos assistenciados é a miséria da alma cujo fim é a degradação da mente que contamina o ambiente que os circunda e que influencia gerações. A degradação momentânea promovida pelo Estado assistencialista levará décadas para ser sanada; e quando assim ocorrer, outra década será necessária para que seja retirada do rol de virtudes a indigência oficializada na burocracia.

Anúncios

Sobre o inocente ilustrador, em sua inocente ilustração

A poder da ilustração e o poder ilustrativo das cartilhas tem seu espaço geralmente na simplificação intencional dos fatos para o convencimento despretensioso de crianças e jovens. A reeducação esclarecedora não teria seu potencial de convencimento sem a fatídica releitura dos acontecimentos; uma reformulação modesta cuja forma jocosa tem por finalidade aproximar a inocência infantil da intenção do autor, seja ela qual for. Desse modo, a evidente imaturidade das ilustrações deve ser vista como isca ao jovem desatento à finalidade dessa “renegociação histórica”, ainda que sem base documental alguma e contrária à historicidade.

Essa despretensão investe o autor da inocência perante o erro, absolvendo-o sobre o equívoco proposital. Dir-se-ia, certamente, que a ilustração não partiu de uma leitura histórica fidedigna, mas de uma desconstrução meramente informativa sobre uma análise subjetiva e, portanto, sanável diante da informalidade do ensino ali contido. Qualquer erro e qualquer absurdo não teria peso à descredibilização da ilustração, porquanto a irresponsabilidade intencional viabiliza (como em qualquer área) o descrédito. O autor, não obstante a “clareza de uma ideia aparentemente inovadora”, não obstante demonstrando certa superação em revelar ao jovem o real intento do que se acobertava, consegue expor o erro de maneira que todo aquele que vê o erro é ele próprio alguém que não conseguiu absorver a ironia da situação.

Se há algo básico no mundo editorial é isto: para se afastar a ignorância ou desconhecimento completo, basta que se ponha na conta das piadas.

A medalha masculina de Caitlyn Jenner

Bruce Jenner se tornou Caitlyn Jenner. A reação feminista natural ao caso foi de ode à revelação já esperada; o anúncio sempre aguardado da mulher em corpo de homem. “Caitlyn Jenner sempre foi uma mulher”, é o que se diz. Desesperadamente afirmam que Jenner fora, sempre, biologicamente uma mulher. Enfim revelada transsexual, em verdade tratar-se-ia de uma mulher ainda que não aceita pela sociedade e pela mídia. Enfim, disse Jenner indo ao encontro de seus pares: “por todas as intenções e motivos, eu sou uma mulher”.

Discute-se se o problema é biológico, psicológico ou ontológico. A questão remanescente é, porém: Caitlyn Jenner irá devolver a medalha olímpica de 1976? Terá a Comissão Olímpica Internacional coragem de revogar os resultados da época, quanto então Caitlyn Jenner teria dissimulado sua condição de real mulher? Ou à época (pressuponho), a questão biológica ainda não perfazia a dubiedade psicológica do [antigo] Bruce Jenner, não sendo motivo específico para uma petição por fraude? Ou não se fala em fraude na dubiedade sexual através da certeza biológica, porquanto à época Bruce Jenner era impelido a aceitar uma condição humana que não correspondia aos seus anseios mais íntimos e inexprimíveis?

Vejamos a quais consequências nos levam a nova sexualidade do século.