Cuba de Berlim

Mais aqui.

Dois dias depois, em 15 de agosto, começou a construção do Muro de Berlim. O muro era constituído de tijolo e concreto, e levou dois anos para ser finalizado. Quando concluído, ele tinha 45 quilômetros de extensão e 2,74 metros de altura, com arame farpado no topo. Os guardas do lado oriental estavam sempre armados com metralhadoras e atiravam em qualquer um que tentasse cruzar o muro. Havia também uma área de 183 metros, entre o primeiro obstáculo e o muro, coberta de minas terrestres e patrulhada por cães policiais.

Entretanto, apesar disso, durante os 28 anos da existência do Muro, entre 1961 e 1989, um número estimado de 5.000 pessoas conseguiu fugir – sobre, sob e através do Muro. Alguns escaparam através da rede de esgoto que passava debaixo do muro. Outros cavaram túneis – o mais longo deles tinha 153 metros, e 57 pessoas utilizaram-no para fugir para Berlim Ocidental em 1964.

Uma mulher coseu uniformes militares soviéticos para três amigos homens, que conseguiram atravessar de carro um dos pontos de controle. Ela também estava no carro, toda comprimida debaixo do assento dianteiro. Um homem munido de um arco e flecha subiu até o topo de um prédio em Berlim Oriental e disparou uma flecha amarrada a um cabo até o outro lado do muro. De alguma forma, ele conseguiu deslizar pelo cabo até o lado ocidental, ganhando a liberdade.

Alguns construíram balões de ar quente e máquinas voadoras toscas que utilizavam motores de motocicleta para propulsionar voos sobre o muro. Outros nadaram ao longo de canais ou rios que separavam partes de Berlim Oriental da Ocidental.

Também surgiram empresas especializadas em gerenciar fugas. Elas faziam anúncios nos jornais da Alemanha Ocidental. Uma dessas empresas, chamada Aramco, com sede em Zurique, Suíça, divulgava informações sobre suas “mais modernas técnicas”. Os preços cobrados pela empresa não eram tão absurdos assim: de $10.000 a $12.000 por pessoa, sendo que para famílias havia um “desconto proporcional à quantidade”, pagável em uma conta numerada em um banco suíço. Se a tentativa de fuga fracassasse, a empresa restituía a maior parte do dinheiro à pessoa que estava patrocinando financeiramente a escapada.

Em Berlim Oriental, o governo da Alemanha Oriental distribuiu fotos do diretor da Aramco, Hans Ulrich Lenzlinger, oferecendo 500.000 marcos alemães pela sua captura. Essas fotos – naquele estilo “Procurado” – referiam-se negativamente ao suíço como um “comerciante de pessoas”. Em fevereiro de 1979, alguém coletou o prêmio pela cabeça de Lenzlinger, após ele ter sido baleado várias vezes no peito e morto em sua casa em Zurique.

Ele não foi a única vítima das tentativas de fuga. Durante os 28 anos da existência do muro, 80 pessoas perderam suas vidas tentando chegar ao lado ocidental do muro. E mais de 100 outras morreram tentando escapar através de pontos da altamente bem vigiada fronteira da Alemanha Oriental.