A ironia ainda se faz presente

Saramago, o democrata amigo de Stalin, afirma: o neo-liberalismo, em minha opinião, é um novo totalitarismo disfarçado de democracia, da qual não mantém mais que as aparências.

A ironia ainda se faz presente na literatura portuguesa, ora.