Essa arte que os tais desenvolveram

Reinaldo Azevedo falando de Direito e jurisprudência dominante se compara ao marxista que aprecia do belo vinho: como pode entender o sujeito o objeto que está fora de seu alcance de percepção? Talvez seja, reconheço, mera faceta da dissimulação, essa arte que os tais desenvolveram ao ponto de defraudar exímios observadores. Um, donzel comentarista; outro, o revolucionário igualitarista que se submete ao mérito.