À prolação do pietismo

A prática ascética como princípio religioso integra-se comumente à mentalidade revolucionária, quando não mais obtém os devidos créditos. Aquela, a faceta da diminutividade reflexiva, pois forjada à prolação do pietismo; esta, a reflexão não ponderada, para que a ação, em seu meio grosseiro e rústico, justifique-se intrigante e complexa ao fim esclarecido do ativismo, que é a interrupção da opinião respaldada nas teses da prudência.

O ativismo, se admoestado com as características essenciais da mente destituída de filosofia, traz consigo a prosa subversiva do descontentamento, caráter da pessoa adolescente, se com ele é assumido o posicionamento da inconstância intelectual – necessária ao infanto, a saber -, porém inadmissível ao indivíduo que se cataloga, devidamente, certo filósofo, vulgo, ser pensante além da previsibilidade.

Enfatizo, aproveitando-me conseqüentemente, à indicação característica da personalidade ambientalista.

Apenas sobre coisas grandiosas

Porque é verdade. Mas não penses que te censuro. Se queres transformar-te num homem de letras, e, quem sabe um dia escrever histórias, deves também mentir, e inventar histórias, pois senão a tua história ficaria monótona. Mas terás que fazê-lo com moderação. O mundo condena os mentirosos que só sabem mentir, até mesmo sobre coisas mínimas, e premia os poetas que mentem apenas sobre coisas grandiosas.

Umberto Eco em Baudolino

O alicerce da irresponsabilidade filosófica

Pelos argumentos expelidos na conferência da ONU sobre racismo, Mahmoud Ahmadinejad não iconiza somente a essência da mente islâmica, que se curva à típica primariedade intelectual; o conceito concretizado da disparidade entre a república e a argumentação revolucionária, inobstante, a revolução teocrática como retorno aos indícios da faceta supersticiosa do Estado, e a romantização da religião se inerente ao governismo. É ícone, Referência, não bastasse ser a Esperança dos tais, tal qual ocorre à mente primitiva proliferante no ocidente de hoje, que igualmente visualiza na personalidade discursiva uma pérola de resplandecente ideal.

E a primitividade, caros, cito-a em sentido estrito ao conceito, que é a gênese do posicionamento ingênuo, ingenuidade que na contemporaneidade é de fato o alicerce da irresponsabilidade filosófica concernente ao pensamento, afirmando-se vulnerável, mutável, inconstante, como o infanto-opinativo.

O menor traço de estupidez

Se quiserdes estudar um homem e conhecer sua alma, não presteis atenção à maneira pela qual ele se cala, ou pela qual fala, ou pela qual ele chora, ou mesmo pela qual se emociona com as mais nobres idéias. Olhai antes quando ri. Se ri bem, é porque é bom. E notai bem todos os matizes: é preciso por exemplo, que seu riso não vos pareça estúpido em nenhum caso, por mais alegre e ingênuo que seja. Assim que notardes o menor traço de estupidez no seu riso é certo ser esse homem de espírito limitado, ainda mesmo que nele pululem as idéias. Se seu riso não é estúpido, mas se o homem, ao rir, vos pareceu de repente ridículo nem que seja um tantinho, sabei então que esse homem não possui o verdadeiro respeito de si mesmo, ou pelo menos não o possui perfeitamente.

Dostoevsky em O Adolescente

O efeito de reduzir a riqueza

O Socialismo, como um sistema completamente compreensivo dos meios de produção, é inviável e a aplicação do princípio socialista a uma parte apenas dos meios de produção, embora evidentemente não impossível, conduz a uma redução na produtividade do trabalho de maneira que, longe de criar maior riqueza, deve ter pelo contrário o efeito de reduzir a riqueza.

Ludwig von Mises

Dos erros que não mais se comete

Da face que prolifera sulcos
enxerga-se aquilo que
coaduna ao velho sábio. Cacundo
que jaz sentado à mesa em frontal
concepção, acanhado solitário
sob a mente angustiante.

Angústia não a ele, o velho que de imediato
levanta-se e traça rumo; ao observador
à janela espreitado em decifrá-lo, como
espectador da vida uma vez tomada afinco,
vívida tal que se intriga um velho,
de mãos lavadas pelo tempo,
cuja memória é inquestionável acervo
dos erros que não mais se comete.